14 Passos para fazer obras em casa sem falhas

Agora que estamos mais tempo em casa, é a altura ideal para se fazer aquelas pequenas alterações que se vêm, a arrastar há séculos!

Mas há aspetos a ter em conta antes de pôr mãos à obra. Antes de começar é importante recolher informação, valer-se das experiências de amigos, pedir ajuda aos profissionais. Com estes passos você evita stress, perda de tempo e de dinheiro.

  1. Quanto deve gastar?
    Comece por definir um limite e solicitar vários orçamentos, sempre detalhados, por forma a evitar o aumento progressivo de custos. Esta é também uma boa forma de decidir, logo de início, para onde canalizar o investimento. Tenha em conta que existem benefícios fiscais para reparações.
  1. Faça um calendário para as suas obras
    Antes de começar, é necessário definirmos uma data de início e uma data de término da meta. Isso tem sido incrivelmente útil! Isso não apenas ajuda a definir as expectativas em toda a linha do projeto, mas nos ajuda a ver se ainda estamos no caminho certo e o que está por vir.
  1. Defina a quem entregar a obra
    Para escolher as pessoas que se ocuparão da reabilitação convém contactar duas ou três empresas e um ou dois profissionais (antes da visita, peça a especificação dos honorários) para confrontar propostas e orçamentos. Além do orçamento, pode ainda pedir documentação sobre os trabalhos executados ou simplesmente procurar online. Outro conselho, em caso de recuperações que incluam plantas novas e reorganização do espaço, é a atribuição de toda a obra a uma única empresa. Os encargos podem ser maiores, mas o resultado compensará, sendo, inclusive, mais fácil resolver eventuais problemas.
  1. Obtenha Licenças e confira as plantas
    Se as obras forem somente de limpeza e recuperação (caso não existam modificações estruturais) em habitação unifamiliar não são necessárias licenças ou autorizações da Câmara. É fundamental que as plantas dos imóveis – sejam cedidas pela Camara, pelo anterior proprietário ou pela agência imobiliária – sejam confirmadas pelo arquiteto, de forma a salvaguardar incorreções devido a alterações feitas por antigos proprietários.
  1. Tenha a segurança em atenção
    O tipo de construção e a sua amplitude determinam se há ou não necessidade de efetuar um projeto de segurança. Em trabalhos com alguma magnitude, em que haja mais que uma empresa implicada no processo, é obrigatório nomear um projetista para a segurança que, na fase de projeto, redige um plano segundo as normas de segurança vigentes (com a tarefa adicional de coordenar os vários planos de segurança elaborados por cada uma das empresas contratadas). Aconselhamos a que faça sempre um seguro de responsabilidade civil.
  1. Proteja as zonas que não vão sofrer alterações
    Prepare a casa (arredar móveis, abrigar pavimentos) para eventuais danos. Os pavimentos não protegidos ficam sempre à mercê de máquinas pesadas, salpicos de tintas, preços e parafusos no chão. A Rubicer comercializa a tela RUBIPROTECT especialmente desenvolvida para este fim.Por fim certifique-se que a remoção de detritos é contemplada no orçamento. Trata-se de uma despesa extra que não deve ser subestimada.
  1. Ensaie a Planta
    Removidos móveis e outros objetos, é necessário demarcar os espaços previstos no projeto. É importante que acompanhe o arquiteto. A planta por si só pode não permitir uma perceção efetiva do espaço: regra geral perece sempre maior do que de facto é.
  1. Pense na evolução das necessidades
    Equacione a evolução da família: se há filhos pequenos é de ponderar s colocação de tomadas para ligação posterior de telefone/internet e, eventualmente de televisão. É também conveniente pensar na instalação de canalizações para aparelhos de climatização e prever a instalação de cablagem via satélite ou fibra ótica. Quaisquer modificações posteriores de tomadas e cabos terá um custo bem superior.
  1. Fotografe as ligações
    É deveras vantajoso fotografar a instalação das canalizações pois nunca se sabe o que pode acontecer, sendo preferível saber onde se localizam as prumadas, caso não haja nenhum traçado, do que ter de esburacar a casa toda se houver uma rutura ou entupimento inesperado. Insista na instalação de uma torneira de segurança em cada zona de serviço, doutra forma qualquer problema na casa de banho ou cozinha obrigará a renunciar a água em toda a casa até sua resolução.
  1. Dê tempo às paredes e fundações
    Depois das paredes, rebocos e fundações concluídos, é importante esperar até que sequem, antes de iniciar qualquer outro trabalho. Por vezes os pedreiros têm pressa em acabar o serviço e não esperam que as paredes acabem de secar antes de colocar os azulejos. Algum tempo depois os azulejos começam a soltar-se primeiro um e depois “uma cascata deles”, danificando os pisos e bases de chuveiro onde caiem. Mesmo quando se instalam os resguardos de proteção de duche, os silicones requerem sempre um tempo de seca antes de serem molhados pelo duche.
  1. Confirme o desenho dos azulejos
    Existem pedreiros que interpretam o desenho dos azulejos de forma muito imaginativa! Para evitar surpresas na disposição dos azulejos, imprima um esquema de montagem dos mesmos para que o pedreiro possa seguir as suas instruções. É muito importante dispor de 10 a 15% de material a mais, isto poderá revelar-se bastante útil.
  1. Verifique a localização das louças sanitárias
    Muitas vezes as pessoas só se deparam com pouco espaço entre os vários sanitários após estes serem instalados, no entanto uma nova disposição implicaria partir o chão e paredes.
  1. Confirme a abertura das portas
    Uma gafe simples como a troca de um lado de uma porta pode fazer com que não consiga entrar numa divisão. Verifique se a charneira está colocada no local certo.
  1. Teste as cores das paredes
    É necessário testar as amostras de tintas escolhidas por si ou pelo pintor. Teste pelo menos 2, numa área de 1x1m numa área com luz e numa área sem luz. Espere sempre que a tinta seque antes de escolher.